O papel das mulheres no hinduísmo e budismo

Escrito por theresa bettmann | Traduzido por emanuely zbonik pereira
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
O papel das mulheres no hinduísmo e budismo
As mulheres têm desempenhado um papel nos dois, o hinduísmo e o budismo, ao contrário daqueles vistos em religiões ocidentais (Creatas Images/Creatas/Getty Images)

Hinduísmo e budismo são dois sistemas de crenças, muitas vezes igualados nas mentes ocidentais, mas na verdade são diferentes em aspectos importantes. Juntos, porém, eles têm desempenhado um papel importante na formação tanto da filosofia oriental como na cultura. Ambos podem ser rastreados até as raízes do subcontinente asiático, e estão entre as tradições religiosas mais amplamente seguidas no planeta. O tema geral das mulheres na religião tende a provocar intenso debate, uma vez que muitas religiões são patriarcais. Mas o papel da mulher no hinduísmo e no budismo tem sido historicamente diferente.

Outras pessoas estão lendo

Hinduísmo

O hinduísmo é uma das cinco maiores religiões do mundo, e é também a mais antiga. Baseia-se em um modo de vida, em vez de protocolo religioso estrito. Há centenas de deuses do panteão hindu, mas todos são manifestações de um deus central ou Brahman. Hindus são livres para adorar qualquer deus que eles escolherem. Eles são esperados para viver uma vida justa de dharma, ou dever social, baseada na verdade, a não-violência, limpeza, contentamento e perseverança. O conceito central do hinduísmo é o ciclo da reencarnação, que se baseia em viver uma vida justa agora para garantir o renascimento em uma casta superior na próxima. O objetivo final está evoluindo com sucesso através dos níveis de castas até que libertação final seja alcançada. Essa libertação, chamada Moksha ou Nirvana, é o lugar onde o espírito é eterno, sem gênero e onipotente.

O papel das mulheres no hinduísmo e budismo
Mulheres hindus experimentam uma vez a plena igualdade com os homens. (Thinkstock Images/Comstock/Getty Images)

A mulher hindu

Na antiga Índia, ou Védica, as mulheres eram iguais aos homens e tiveram um lugar de honra na sociedade. Muitos hinos rigvédicos foram compostos por mulheres. Elas foram capazes de participar de cerimônias religiosas e ocuparam cargos importantes, como estudiosas, filósofas e professoras. Algumas mulheres, chamadas brahmavadinis, escolheram permanecer solteiras e viver de estudo religioso e rituais. Para aquelas que escolheram a vida doméstica e familiar, foram respeitadas no papel de esposa e mãe. A literatura hindu, como o Ramayana poema épico, conta a história de como os reis e as cidades foram destruídas por uma única mulher que foi injustiçada. No entanto, os direitos das mulheres na Índia declinaram ao longo do curso da história com a conquista islâmica, instabilidade política, más condições econômicas e invasão estrangeira. A cultura europeia, incluindo a britânica quando ocuparam a Índia, negou às mulheres dignidade e incentivou sua obediência passiva. Este conceito começou a sangrar na sociedade hindu até que as mulheres passaram a fazer parte da casta mais baixa de sudras. As mulheres não podiam se divorciar ou casar novamente. Se viúva, a mulher era obrigada a permanecer solteira para o resto de sua vida. Quando a Índia obteve a independência, os direitos de muitas mulheres foram retomados, mas não com o mesmo grau de igualitarismo que apreciou uma vez .

Budismo

O budismo é uma religião oriental que não segue uma divindade, e não reconhece uma determinada divindade. Ele também não tem sacerdotes que oficiam entre o fiel e o divino. O budismo é essencialmente uma fé ateísta sem lugar para um deus ou sacerdote, mas em vez disso se baseia na doutrina de que a salvação é devido ao seu próprio esforço. O Buda original era um homem que descobriu e alcançou a iluminação, seguindo princípios de que ele considerava lei universal existente em todos nós. O budismo acredita em um ciclo de reencarnação, assim como dharma e o karma, mas sem as amarras do sistema de castas. O objetivo final é de um embolso no caminho certo em direção à iluminação e, finalmente, tornar-se um Buda de si mesmo.

O papel das mulheres no hinduísmo e budismo
A meditação é uma ferramenta que os budistas usam para perseguir o caminho da iluminação (Goodshoot/Goodshoot/Getty Images)

A mulher no Budismo

Muito pouco sobre o budismo identifica-se com um gênero determinado. O padrão de reencarnação, de acordo com a doutrina budista, sugere que o gênero não é sinônimo de espírito. Por exemplo, uma pessoa pode viver uma vida como um homem, e outra vida como uma mulher. A identidade específica do gênero só é associada com uma vida em particular. Portanto, o caminho do Buda pode ser praticado por qualquer pessoa, homem ou mulher. O budismo na sua forma mais pura não tem lugar para a realização de rituais religiosos, que se baseia em um modo de vida. Ao longo dos anos, muitas versões diferentes do budismo adicionam rituais como cultos, cantos ou práticas de oferta simbólica. No entanto, a maioria dessas mudanças continuam a reconhecer os homens e mulheres em igualdade de condições. Alguma influência ocidental vazou em algumas seitas do budismo, o que sugere que más ações de uma pessoa nesta vida irá resultar em reencarnação como uma mulher na próxima. No entanto, esta não é a crença comum. Ao contrário do hinduísmo, no budismo o casamento não é um sacramento, mas uma tradição secular de um contrato reconhecido entre parceiros iguais. Portanto, o divórcio e um novo casamento não são proibidos, e o status social de uma viúva não é alterado de forma alguma.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível