O habitat da cobra boca de algodão

Escrito por d.m. gutierrez | Traduzido por mariana pelicano
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
O habitat da cobra boca de algodão
Uma mocassim d'água na terra (Courtesy of FreeDigitalPhotos.net)

A maioria das pessoas possuem um medo instintivo de cobras. A cobra boca de algodão, ou mocassim d'água, é uma cobra da qual é melhor manter distancia. Ela é grande, venenosa e altamente agressiva, tanto na água quanto na terra. Mas será que você encontraria normalmente uma cobra dessas? Onde exatamente habitam essas cobras e como você as reconheceria se as visse?

Outras pessoas estão lendo

Habitat

As cobras boca de algodão vivem no sudeste dos Estados Unidos, sendo a maioria encontrada na Flórida e na Georgia, mas também podem ser encontradas em águas escuras - córregos, lagoas, valas ao lado de estradas, pântanos, canais e manguezais. Diferentemente de cobras aquáticas sem venenos, bocas de algodão nadam acima do nível da água com suas cabeças à mostra e não escalam árvores. Essas cobras normalmente andam em terra seca, mas preferem ficar perto de fontes de água, onde encontram a maior parte de sua comida.

Aparência

Cobras boca de algodão são chamadas assim devido ao interior branco de suas bocas e gargantas, que elas mostram quando querem se defender. As cobras adultas possuem uma coloração escura, entre marrom e preto, mas cobras jovens podem ter salpicados e faixas de colorações brilhantes. As bocas de algodão possuem uma linha escura através de sua cabeça, sobre seus olhos e seus cumes nasais, para que não seja possível ver os olhos dela sobre a água. Seu corpo largo pode variar entre 60 cm e 2 metros de comprimento, essa cobra possui uma cabeça grande e triangular. Como outras víboras de fosso, a boca de algodão possui depressões, ou fossas, em sua cabeça e mandíbula.

Comportamento

Essas cobras são mais ativas entre abril e outubro durante o dia, mas também são vistas por todo o ano em algumas áreas. Quando o clima fica extremamente quente, as bocas de algodão podem caçar a noite também. Elas costumam se aquecer sob o sol em pedras ou troncos caídos, podendo até mesmo ficar em estradas perto de fontes de água. Se uma boca de algodão é ameaçada, ela se encaracolará e abrirá sua boca para parecer mais assustadora. Os machos lutam pelas fêmeas durante o início do verão e as fêmeas costumam ter entre 1 e 15 filhotes vivos no outono a cada dois ou três anos. Enquanto essas cobras defendem seu território (diferentemente de cobras d'água inofensivas, que fogem quando confrontadas), se tiverem uma chance, fugirão para segurança. A maioria das bocas de algodão atacam humanos quando são pisadas acidentalmente ou quando um pescador bota a mão na água para pegar um peixe fisgado.

Presas

Elas comem uma grande quantidade de animais daninhos, como ratos e camundongos, assim como sapos e outras cobras. Elas costumam ser encontradas na margem de corpos aquáticos que estão secando, se alimentando de peixes que ficaram presos. As jovens possuem uma calda pintalgada de uma cor amarela brilhante, que elas usam para atrair suas presas.

Aviso

Como todas as víboras de fossa, como as cascavéis e as cabeças de cobre, as cobras boca de algodão são venenosas. Se ela te morder e atingir uma artéria, você pode morrer em menos de um minuto. No entanto, a maioria das mordidas das bocas de algodão não são fatais e a maioria das pessoas se recuperam completamente depois de receber tratamento médico apropriado. Essas cobras são corajosas e, normalmente, não são espantadas facilmente, porém se forem deixadas as sós irão eventualmente escapar e caçar uma presa mais palatável. Nunca tente pegar uma boca de algodão. Se você acidentalmente pisar em uma, ela provavelmente atacará por medo, mas se possível ela tentará fugir. Se for mordido, procure cuidados médicos imediatamente. Não aplique gelo à ferida, faça um torniquete ou sugue o veneno da ferida. Faça um tratamento de choque e ligue para o 190 (911 nos Estados Unidos).

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível