on-load-remove-class="default-font">
×
Loading ...

O melhor e o pior das arquibancadas da Copa do Mundo

Reprodução Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Introdução

Acabou a Copa, as férias, os memes. Nas redes sociais, andam dizendo que o mundo acabou. Vamos sentir muitas saudades da #CopadasCopas, mas ela deixou muitas recordações — algumas boas e outras nem tanto — dentro e principalmente fora de campo, mais precisamente nas arquibancadas. Segundo dados do Governo Federal, um milhão de turistas de 203 países vieram ao Brasil durante a Copa do Mundo. Esses torcedores coloriram as ruas e encheram de alegria os estádios. Por isso, fizemos um apanhado daquelas que mais chamaram atenção das TVs e, às vezes, até da polícia!

Reprodução Facebook

Torcida mais limpeza: Japão

O Japão não chegou muito longe na Copa. O time foi eliminado ainda na fase de grupos sem vencer nenhuma partida. Se em campo os japoneses não tiveram atuação espetacular, nas arquibancadas a torcida nipônica fez sucesso. Simpáticos e coloridos, os japoneses foram "flagrados" limpando as arquibancadas após todas suas partidas. Com sacos de lixo, bom humor e muita disposição, eles vasculhavam fileiras em busca de qualquer resíduo que pudessem ter deixado. As imagens acabaram viralizando na internet. O bom exemplo acabou sendo seguido por alguns torcedores de outras torcidas.

Reprodução www.sportressofblogitude.com

Torcida mais bonita: Bélgica

No quesito beleza, a disputa foi acirrada, mas foi a Bélgica que levou a melhor. Derrotada nas quartas de final pela Argentina, ela foi vencedora no quesito beleza. Os diabos vermelhos, como são conhecidos os torcedores do país, conquistaram o mundo com seu charme. A jovem torcedora Axelle Despiegelaere chamou tanta atenção que ganhou um contrato como modelo da L’Oreal. O negóciou não foi adiante depois que a garota publicou na internet a foto de um animal abatido em caça, o que não agradou a marca de cosméticos. Tarde demais: a torcida belga já havia acertado nossos corações.

Reprodução Fernando Frazão/ Agência Brasil

Torcida mais apaixonada: Argentina

Brasileiros e argentinos vivem há muito tempo uma relação de amor e ódio. Brigamos até em jogo de bola de gude e, claro, levamos a melhor em tudo. Mas se tem uma coisa em que os "hermanos" superam a gente é no apoio ao time. Sim, cantamos o hino brasileiro à capela, choramos, nos descabelamos, mas quando o bicho pega para o nosso lado, cadê a torcida canarinho? Os argentinos, por outro lado, são incansáveis, criativos e, verdade seja dita, muito chatos. Com suas provocações, canções e gritos de guerra, eles não dão descanso nem nos momentos mais difíceis.

Reprodução Amanda Oliveira/GOVBA (05/07/2014)

Torcida mais criativa: Holanda

Finalista da Copa do Mundo por três vezes (1974, 1978 e 2010), a Holanda nunca levantou a taça de campeã do mundo. E também não foi dessa vez. Após ser derrotada pela Argentina nas semifinais, a laranja mecânica ficou com a terceira colocação, após aplicar uma goleada de 3 a 0 sobre o Brasil. Se em campo eles nunca vão além do "quase", nas arquibancadas mostram toda sua força. Pintados de laranja, eles chamam a atenção pela irreverência e inventividade. Os torcedores holandeses foram os mais fotografados pela imprensa e também pelos brasileiros. Uma pena que eles fizeram bagaço da Seleção Brasileira.

Reprodução Rogério Santana/ GERJ

Torcida mais barraqueira: Chile

Pouco antes da partida entre Chile e Espanha pela fase de grupos, cerca de 90 torcedores do país sul-americano forçaram um dos portões do Maracanã e conseguiram invadir o estádio onde aconteceria a disputa. Sem rumo, os invasores entraram no centro de imprensa e duas paredes foram derrubadas no local. Alguns deles chegaram até o gramado do estádio antes de serem detidos. Como punição, os estrangeiros foram convidados a deixar o País. Levantamento do jornal Extra apontou que nas primeiras semanas da Copa, 157 estrangeiros haviam sido presos pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, 99 eram chilenos. Que papelão!

Reprodução Facebook

Torcida mimimi: Colômbia

Um dos grandes destaques da primeira metade da Copa do Mundo, a Colômbia teve um final melancólico na competição. Azarona das quartas de final, a equipe perdeu para o Brasil por 2 a 1. Enquanto aqui comemorávamos, na Colômbia, o diário Hoy estampou "Fifa colocou o Brasil (nas semifinais)", acusando o árbitro espanhol Carlos Velasco Carballo de favorecer a equipe da casa. Enquanto isso, o craque colombiano Radamel Falcao, que ficou só na torcida durante a competição por uma contusão, disparou no Twitter: "Para a próxima partida, lembrem-se de chamar o juiz, porque hoje ele não apareceu".

Reprodução Gil Leonardi/ Imprensa MG

Torcida mais simpática: Brasil

Durante o torneio, a torcida brasileira protagonizou alguns momentos constrangedores. Na abertura da competição, a presidenta Dilma Roussef teve que escutar de setores das arquibancadas insultos impublicáveis. Bola fora! Na partida entre Brasil e Chile, chamaram a atenção também as vaias ao hino dos nossos vizinhos. Mas além desses episódios desagradáveis, os brasileiros mostraram ao mundo muita hospitalidade e simpatia dentro e fora dos estádios. O jornal francês Le Monde destacou que apesar de falhas na infraestrutura, o bom humor e a receptividade do brasileiro compensaram. "Se por um lado a rede telefônica falha, turistas são recebidos com sorrisos", apontou.

Reprodução Maurilio Cheli/ SMCS (17/06/2014)

Menção honrosa: Irã

A torcida do Irã não chamou atenção especial pela caracterização, animação nem criatividade. Mas para vir de tão longe mesmo com poucas chances de avançar além da fase de grupos é mais que suficiente para eles merecerem um espaço aqui. Na competição, o país do Oriente Médio empatou com a Nigéria em 0 a 0 e perdeu para Argentina e Bósnia por 1 a 0 e 3 a 1, respectivamente. Quando começou a Copa do Mundo no Brasil, o Irã aparecia na 43ª posição no ranking da Fifa.