Mais
×

Organismos que vivem na zona mesopelágica

Atualizado em 17 abril, 2017

O oceano divide-se em camadas, cada uma com diferentes características e diferentes organismos. A zona mesopelágica, também conhecida com o termoclina-crepuscular, é aquela que vai de 200 metros a 1 quilômetro abaixo da superfície. Esta camada é muito fria, tem pouca luminosidade, baixo oxigênio e a principal fonte alimentar consiste de partículas de matéria provenientes das zonas superiores, chamadas de neve marinha. Apear disto, uma variedade de criaturas floresce nessa camada.

O peixe-pescador, um residente bem conhecido da zona mesopelágica (Reinhold Thiele/Valueline/Getty Images)

Peixes migratórios

A zona mesopelágica serve de lar para uma grande variedade de peixes. Alguns deles são capazes de migrar entre as zonas e nadar até as zonas superiores do oceano para se alimentar. O peixe-lanterna é muito comum e pode ser encontrado em números tão grandes que são visíveis em um sonar. Esses peixes têm uma das adaptações comuns e notáveis dos organismos de mar profundo -- bioluminescência, ou capacidade de brilhar. Os Gonotosmatidae são outro tipo de peixes migratórios. Esses dois tipos de peixes têm barbatanas que lhes possibilitam fazer essa migração, que é difícil devido às drásticas alterações de temperatura e pressão. Alguns tubarões, como o tubarão-charuto, também são capazes de migrar de e para essa zona, além de terem fígados oleosos que lhes servem de bexigas natatórias.

Peixes não migratórios

Muitos peixes da zona mesopelágica não possuem barbatanas, uma vez que o conteúdo de oxigênio lhes dificulta a obtenção de gás suficiente para tê-las. Peixes que não migram da zona mesopelágica tendem a ser flácidos em vez de aerodinâmicos, e não se movimentam muito. Esses peixes geralmente usam a bioluminescência para atrair as presas, uma vez que a luz na zona mesopelágica atrai a atenção. Como pode ser difícil encontrar uma presa, muitos desses peixes são capazes de engolir presas maiores do que suas bocas, desarticulando suas mandíbulas e tendo estômagos muito grandes para que possam comer tudo o que encontrarem. O peixe-machadinha, o peixe-dragão e o peixe-pescador são três espécies de peixes não migratórios; o peixe-víbora coincide com a descrição de peixe não migratório de mar profundo, mas foram encontrados em profundidades maiores, o que sugere que eles migram.

Água-viva

A transparência é uma adaptação extremamente valiosa. Na zona mesopelágica, animais transparentes têm uma vantagem, já que não produzem sombras, sendo portanto invisíveis aos predadores. As águas-vivas são comuns. Também há muitos animais semelhantes a elas que não são bem conhecidos, uma vez que se desintegram quando capturados em redes. Este grupo inclui animais conhecidos como larváceos, que criam um material semelhante a muco para capturar a neve marinha para se alimentar.Os sifonóforos são animais do tipo água-marinha que na realidade são formados por uma colônia de organismos relacionados; um exemplo de sifonóforo é a caravela-portuguesa.

Lula e camarão

A lula e o camarão são muito comuns. Lulas, como a lula-gigante e a lula-vaga-lume, são capazes de se adaptar às águas profundas com facilidade porque seus corpos são em grande parte compostos de água, o que significa que não sofrem grande impacto da intensa pressão dessas profundezas. Algumas espécies de lula e camarão são capazes de ejetar uma tinta nebulosa bioluminescente que cega preadores em potencial. A bioluminescência pode ser defensiva de outras maneiras. Por exemplo, tanto a lula como o camarão têm órgãos bioluminescentes em suas partes laterais, o que quer dizer que um predador que procure um organismo bioluminescente tem dificuldade em vê-lo, uma vez que a luz lateral se mistura com a solar.

Outros animais

A zona mesopelágica é o lar de uma vasta variedade de animais. Isto inclui muitos pequenos invertebrados, como minhocas e tubícolas. O krill é uma parte importante do ecossistema nesse nível, e é comido por muitos tipos de animais. As larvas de muitos animais e ovos de peixes também são encontrados geralmente nesse nível.

Cite this Article A tool to create a citation to reference this article Cite this Article