Quimioterapia para neoplasia pulmonar em cães

Escrito por kimberly sharpe Google | Traduzido por giovana moretti
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Quimioterapia para neoplasia pulmonar em cães
O câncer de pulmão é raro em cães (Dog image by Istoria13 from Fotolia.com)

A neoplasia pulmonar maligna (câncer de pulmão) em cães, seja primária ou secundária, tende a ser extremamente agressiva. O câncer de pulmão primário corresponde a menos de 1% do total de cânceres que acometem cães, de acordo com o website Canine Cancer. Usualmente, a ocorrência metastática nos nódulos linfáticos ou em outras regiões do corpo acontece na hora do diagnóstico, tornando a cirurgia inviável. Tanto o câncer de pulmão primário, que se espalha para outras regiões, quanto o câncer metastático, que surgiu em outro local mas não se espalhou para os pulmões, podem ser tratados usando substâncias de quimioterapia para alcançar todas as áreas atingidas pela doença.

Outras pessoas estão lendo

Considerações dos riscos

O câncer de pulmão afeta tanto cães machos quanto fêmeas igualmente, e a idade média para o diagnóstico costuma ser aos 11 anos de idade. O fumo passivo (quando o cão respira a fumaça do cigarro) pode contribuir para a contração de câncer de pulmão primário. O mesotelioma, uma forma de câncer que surge na membrana do mesotélio e fecha a cavidade pleural que envolve os pulmões, também pode atingir os cães. A exposição ao amianto pode causar mesotelioma em cães da mesma forma que causa em humanos. Grandes quantidades de fibras de amianto já foram encontradas em pulmões de cães que sofriam de mesotelioma, de acordo com o website do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade da Geórgia.

Sintomas

O cão costuma começar a sofrer letargia, perda de peso e apetite, além de apresentar dificuldade para respirar. Tosses podem ocorrer, chegando a produzir expectoração com sangue. Os cães muitas vezes têm dificuldades para se levantar se estiverem sentados ou deitados, devido à ocorrência metastática nos ossos.

Diagnóstico

Antes que o tratamento comece, o veterinário deve fazer um diagnóstico completo de câncer de pulmão e também avaliar o tipo de célula e as regiões que possam ser atingidas. A maioria dos veterinários realizam um exame físico no cão, pedem por exames de sangue e tiram muitos raios-x. Uma biópsia do(s) tumor(es) usando uma agulha é feita para determinar o tipo de célula do câncer. Tal biópsia, com frequência, é realizada usando um toracoscópio, que permite que o veterinário "entre" nos pulmões do cão através do nariz, usando um escopo para coletar as amostras de células.

Tratamento

A cirurgia raramente é realizada se o câncer tiver se espalhado. O procedimento utilizado é a quimioterapia; não é uma cura, mas pode diminuir o progresso do câncer e dar mais tempo de vida ao cão. As duas principais substâncias usadas na quimioterapia para câncer primário e secundário nos pulmões são a vimblastina e a carboplatina. Elas são utilizadas juntas ou sozinhas para o tratamento. Em casos raros, a quimioterapia metronômica, com a combinação de Deramaxx (um anti-inflamatório não esteroide) e ciclofosfamida (Cytoxan), pode ser usada. A combinação dessas substâncias inibe a produção de vasos sanguíneos, o que diminui o crescimento de novos tumores.

Prognosis

Se o cão puder passar por uma ressecção cirúrgica completa de um tumor primário, ele pode viver por pelo menos mais um ano se continuar o tratamento. Com frequência, a combinação de cirurgia com quimioterapia dará ao cão uma expectativa de vida de mais 22 meses. A quimioterapia por si só não costuma fazer muito efeito.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível