Quais são os benefícios do ômega 3, 6 e 9?

••• Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

Os ômegas 3, 6 e 9 são ácidos graxos fundamentais para se ter uma boa saúde. Eles são benéficos para a pele e os cabelos, para os sistemas circulatório, reprodutivo e respiratório e para o cérebro. Os ômegas 3 e 6 não podem ser produzidos pelo organismo e devem ser obtidos por meio de alimentos ou suplementos; no entanto, o organismo pode produzir o ômega 9 a partir dos ômegas 3 e 6.

Benefícios do ácido graxo ômega 3

Jupiterimages/Comstock/Getty Images

O ômega 3 contém os ácidos graxos poli-insaturados do tipo docosahexanoico (DHA) e eicosapentaenoico (EPA). Ele é encontrado em certos tipos de peixes gordurosos, como anchova, arenque, salmão e cavalinha. Em 1976, os cientistas dinamarqueses H.O. Bang e J. Dyerberg estudaram a dieta dos esquimós e comprovaram que uma dieta rica em peixe, que é rica em ômega 3, pode reduzir os níveis de triglicérides do sangue e impedir o acúmulo de placas nas artérias.

Benefícios do ácido graxo ômega 6

Jupiterimages/Pixland/Getty Images

O ômega 6 é outro ácido graxo essencial. Ele contém ácido linoleico e é encontrado em óleos vegetais (incluindo molhos de salada à base de óleo), castanhas e sementes, e contribui para uma boa saúde reprodutiva e para o desenvolvimento do cérebro.

Benefícios do ácido graxo ômega 9

Visage/Stockbyte/Getty Images

O ômega 9 é encontrado no azeite e outros óleos vegetais, no abacate e em castanhas. Ele é diferente dos ômegas 3 e 6 porque nosso organismo pode produzi-lo a partir desses dois outros ácidos graxos. O ômega 9 reduz os níveis de colesterol e reforça o sistema imunológico.

Deficiência de ômegas 3, 6 e 9

Jupiterimages/Photos.com/Getty Images

A deficiência dos ácidos graxos ômega 3, 6 e 9 pode causar brotoejas, fadiga, comprometimento do sistema imunológico, infertilidade e outros problemas do sistema reprodutivo. Um estudo realizado em 2012 pela American Heart Association (Associação Americana do Coração) mostrou a relação entre o consumo do ômega 3 e a redução de doenças cardiovasculares.

O equilíbrio recomendado dos ômegas 3, 6 e 9

Pixland/Pixland/Getty Images

De forma ideal, seu plano nutricional diário deve conter uma quantidade de ômega 6 duas a quatro vezes maior do que a de ômega 3. No entanto, devido à grande quantidade de alimentos gordurosos e processados presente na dieta americana comum, o consumo de ômega 6 de muitas pessoas é 14 a 25 vezes maior do que o de ômega 3. O consumo dos ácidos graxos ômega na proporção incorreta pode eliminar os seus benefícios nutricionais. Um estudo realizado em 1999 pelo "Workshop on the Essentiality of and Recommended Daily Intakes" (Workshop sobre a importância dos ácidos graxos ômega e ingestões diárias recomendadas) analisou a importância dessa proporção. O consumo de muito ômega 6, em combinação com o baixo consumo de ômega 3, está relacionado a desordens inflamatórias, como artrite e psoríase.

Advertência

Visage/Stockbyte/Getty Images

Os suplementos somente devem ser tomados sob a supervisão de um profissional de assistência médica. Pessoas com epilepsia não devem tomar determinados suplementos de ômega 6, como óleo de prímula. Mulheres gestantes não devem tomar óleo de borragem, já que ele pode ser prejudicial ao feto e resultar em parto prematuro.

Mais recentes

×