Mais
×

10 problemas femininos que você não sabia que tinha (e como solucioná-los)

Quando um problema se torna permanente, é importante recorrer a um médico
moodboard/moodboard/Getty Images

Introdução

Há muitos problemas compartilhados exclusivamente por mulheres, às vezes gerando preocupação, ansiedade e medo. Além disso, como vários deles são bastante íntimos, muitas mulheres não se atrevem a buscar a ajuda necessária para resolvê-los e prevenir outras complicações que poderiam surgir. Fluidos vaginais anormais, dificuldades durante a relação sexual, verrugas vaginais, secreções dos mamilos e o aumento e surgimento de nódulos mamários são alguns dos problemas que podem acometer as mulheres, e muitos deles requerem a atenção de um médico qualificado.

A vaginose bacteriana produz fluidos com mau cheiro
Franck Camhi/Hemera/Getty Images

Fluido vaginal com mau cheiro

A vaginose bacteriana é uma doença que afeta a maioria das mulheres férteis e é causada pela proliferação de certas bactérias anaeróbicas, ou seja, não necessitam de oxigênio para sobreviver. Geralmente, o fluido com mau cheiro não vem acompanhado de coceira, ardência nem dor. Essa é uma infecção que precisa ser tratada com antibióticos e controlada por um ginecologista. Apesar de não trazer complicações na maioria dos casos, as mulheres grávidas que apresentam esses sintomas devem receber tratamento imediato para evitar um parto prematuro e bebês com baixo peso ao nascer.

A Candida albicans produz um fluido parecido com ricota
Getty Images

Fluido branco como ricota

A candidíase é uma infecção comum na mulher causada pela levedura Candida albicans. Ela ocorre quando esse organismo se desenvolve em excesso. O fluido pode estar acompanhado pela inflamação da vagina e da vulva, que podem ficar vermelhas e doloridas. Além disso, pode-se sentir muita coceira e dor durante as relações sexuais. Há situações que aumentam as chances de desenvolver esse tipo de infecção, como a gravidez, o diabetes e o uso de corticoides e antibióticos potentes. A candidíase requer diagnóstico e tratamento médico com antifúngicos. A paciente deve manter a região limpa, além de evitar coçá-la e manter relações sexuais.

Certos tipos de HPV estão associados ao câncer de colo uterino
Getty Images

Verrugas vaginais

As verrugas vaginais podem causar muita vergonha e medo. Elas são provocadas pelo vírus do papiloma humano (HPV). Sua transmissão se dá através das relações sexuais por via oral, genital ou anal com uma pessoa infectada. Nas mulheres, as verrugas podem aparecer na vagina, no colo do útero ou ao redor do ânus. Para tratar esse problema, é importante que todas as mulheres sexualmente ativas façam o exame papanicolau uma vez por ano. Contudo, uma vez que o vírus esteja presente, é necessário seguir o tratamento médico para erradicá-lo. Cirurgia é indicada em alguns casos.

A falta de lubrificação é um problema frequente na menopausa
Jacob Wackerhausen/iStock/Getty Images

Falta de lubrificação vaginal

A falta de lubrificação é um problema sério, escondido por muitas mulheres, especialmente depois da menopausa. Por ser crônico e progressivo, causa ardência e irritação vaginal, além de dor e incômodo. É importante reconhecer quais são as causas do problema, que podem incluir a diminuição dos níveis de estrogênio. Os exercícios pélvicos podem auxiliar o tratamento no caso de uma mulher pós-menopáusica. A falta de excitação é uma causa comum e, por esse motivo, a mulher deve investir nas preliminares antes do ato sexual. Em todos os casos, é importante a boa hidratação.

O vaginismo é uma doença na qual a penetração fica impedida
IuriiSokolov/iStock/Getty Images

Vaginismo

O vaginismo é uma disfunção sexual frequente que consiste numa forte contração involuntária dos músculos vaginais inferiores, impedindo a penetração. Sua principal causa é psicológica, ocorrendo em mulheres com experiências traumáticas, medo da gravidez ou de contrair doenças sexualmente transmissíveis, com histórico de abusos sexuais, falta de informação sobre o sexo e ainda pela falta de intimidade entre o casal. Por ser um problema físico e psicológico, é necessário trabalhar ambos aspectos. Informação e experiências que destruam o medo da dor podem ser de grande valia, além dos exercícios pélvicos e o uso de lubrificantes.

A dispareunia afeta a vida sexual dos casais
Piotr Lukasik/iStock/Getty Images

Dispareunia

A dispareunia se caracteriza pela dor e ardência antes, durante ou depois de consumada a penetração. É uma questão bastante importante, já que afeta profundamente a vida sexual da mulher e de seu par. As causas podem ser psicológicas ou fisiológicas (alergias, infecções, irritações, más-formações anatômicas, etc.). Para resolver o problema, é importante o cuidado psicossexual, que inclui a terapia individual e de casal, já que os problemas no casamento podem gerar rejeição ao parceiro. Além disso, é preciso consultar um especialista para descartar a existência de doenças.

Uma causa de secreção é a lactância materna
Jupiterimages/Goodshoot/Getty Images

Secreção dos mamilos

A secreção dos mamilos pode apresentar diferentes cores e características. São muitas as causas da produção de secreção pelos mamilos, mas, de modo geral, a mulher não deve se preocupar tanto, pois poucas vezes trata-se da manifestação do câncer de mama. Outras causas são a lactância materna, os abcessos, a gravidez, o hipertireoidismo e o hipotireoidismo, a meningite, tumores cerebrais e fármacos como antidepressivos e anticoncepcionais, dentre outras. Merecem atenção as secreções espontâneas, sem lesão prévia, unilaterais, por um único mamilo e aquelas de tom vermelho-vivo ou avermelhado. Nesses casos, é importante procurar a ajuda de um médico qualificado.

Os cistos mamários causam dor
Denis Kartavenko/iStock/Getty Images

Dor mamária

A dor nos seios é frequente antes e durante a menstruação. Sua gravidade pode chegar ao ponto de ocasionar dificuldades às atividades cotidianas da mulher, já que interfere no trabalho, na vida sexual e no sono. Os cistos mamários são uma das doenças mais frequentes que podem causar esse problema, bem como o consumo de alguns alimentos, como os ricos em gordura, cafés, chás, chocolate e alguns medicamentos, além de infecções mamárias e câncer. Por isso, é importante consultar um médico para saber a origem da dor e tratá-la de acordo com a causa.

A mastite é a inflamação do seio
Pixland/Pixland/Getty Images

Aumento e avermelhamento de um seio

O aumento e avermelhamento de um seio costuma ser sintoma da mastite aguda quando acompanhada de febre e dor. Ela é mais frequente nas mulheres lactantes e naquelas com menos de 30 anos. A mastite aguda pode ser causada pela presença de uma ou várias bactérias ou, ainda, pelo aumento das secreções que inflamam o seio. É importante fazer uma ecografia mamária e talvez uma mamografia para descartar a possibilidade de um câncer de mama. O tratamento pode variar de medicamentos até uma pequena cirurgia. No entanto, em todos os casos, é preciso resfriar o seio com bolsas de gelo ou compressas frias.

A mamografia e a ecografia são úteis no estudo dos nódulos mamários
Getty Images

Nódulo mamário

Algumas mulheres podem apresentar nódulos nos seis ao apalpá-los. Ainda que a maioria deles seja benigna, é importante realizar uma ecografia e, desse modo, diferenciar o nódulo de uma lesão cística ou sólida. Os nódulos mamários benignos geralmente estão presentes na parte superior, são bem definidos e se movem com facilidade, são sensíveis ao tato e costumam crescer com a menstruação. Os malignos são únicos, firmes, pouco definidos, não se movem e, em sua maioria, não doem. Se a pele do mamilo estiver retraída e ele liberar secreções com sangue, deve-se buscar o auxílio de um médico com urgência.