Experimentos com ímãs de neodímio

Escrito por david scott | Traduzido por lean pereira
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

Ímãs de neodímio são feitos com materiais raros, mais frequentemente neodímio, ferro e boro. Eles são dispositivos muito poderosos e divertidos para se fazer experimentos.

Outras pessoas estão lendo

Segurança

Ímãs de neodímio, especialmente os grandes, são extremamente poderosos. Nunca deixe que se aproximem, a menos que você tenha a necessidade de realizar um experimento. O força de atração que têm dois ímãs de neodímio é tão potente, que pode despedaçar um dedo humano ou quebrar ossos. Além disso, alguns dos experimentos a seguir utilizam altas temperaturas. Tome as precauções necessárias ao utilizar calor, como óculos apropriados, roupas protetoras e luvas.

Uma introdução ao magnetismo

Você provavelmente não precisa fazer um experimento para aprender que dois ímãs podem atrair-se ou repelir-se. Entretanto, você talvez não saiba as exatas características que permitem aos ímãs que se comportarem desta maneira. Infelizmente, você não deve ter disponível um equipamento que meça campos magnéticos ou que realize experimentos complicados, para dizer-lhe exatamente como funcionam os ímãs. Por isso realizamos esta pesquisa para você. Entretanto, você pode aprender algumas ideias básicas a respeito da polaridade magnética, que é a principal causa da repulsão e atração magnética. Primeiramente, assegure-se de ter alguns ímãs de neodímio de forma cilíndrica. Infelizmente, você terá que destruir alguns deles. O primeiro experimento envolve cortar um ímã pela metade para observar como seus polos se realinham após o corte. Deixe que duas barras magnéticas se atraiam e se aproximem ponta a ponta. Então, marque os dois lados que se atraem com uma cor de marcador, e as outras extremidades com outra cor. Agora, separe-os e parta um ímã pela metade com um martelo e um cinzel. Assegure-se de fazê-lo de forma segura e apropriada. Tome os dois segmentos partidos e pinte as extremidades que acabam de ser criadas com a mesma cor oposta às outras. Finalmente, observe se os três ímãs se comportam como as cores indicam que deveriam. Você pode relatar se, nos três casos, as extremidades de cor idêntica se atraem ou se repelem.

Seguindo até o ponto Curie

Este é, de longe, o ponto mais importante no magnetismo. Tome uma pequena amostra de ímãs de neodímio e remova sua camada externa. Esta casca deve ser feita de plástico ou metal, mas terá que ser removida para evitar fumaças tóxicas. Como na queima de quaisquer substâncias desconhecidas, é recomendável usar algum tipo de máscara ou respirador. Uma vez que a casca tenha sido removida, faça um teste para assegurar que o ímã ainda atrai coisas como clipes de papel. Quando tiver a certeza de seu funcionamento, apanhe um maçarico de propano e aqueça o ímã até que se torne levemente vermelho. Se você tiver um par termoelétrico e o equipamento próprio para operar em altas temperaturas, você pode usá-los para medir a temperatura do ímã. Com o par termoelétrico, aqueça o ímã até aproximadamente 240 °C. Torná-lo vermelho é um pouco excessivo, mas é difícil saber de qualquer outra forma se você o aqueceu o suficiente, sem medir a temperatura. Agora, teste o ímã novamente com os clipes de papel. Se você o aqueceu de forma apropriada, ele não deve se comportar como um ímã. Isso ocorre por haver ultrapassado o ponto Curie, ou a temperatura acima da qual o ímã perde suas propriedades magnéticas. Caso necessário, repita o experimento com outros tipos de ímãs para observar como perdem seu magnetismo devido aos efeitos do calor.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível