Como são os inibidores de enzimas digestivas usados ​​para tratar a obesidade?

Escrito por faith o | Traduzido por carlos augusto santana filho
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

A obesidade é o acúmulo anormal ou excessivo de gordura a ponto de se tornar um risco para a saúde do indivíduo. O Instituto Nacional de Saúde usa o índice de massa corporal (IMC), que mede a gordura corporal de uma pessoa de acordo com a altura e peso, como uma medida padrão de obesidade e peso saudável. Estas são as categorias de IMC:

  • Abaixo do peso = inferior a 18,5
  • Peso normal = 18,5 a 24,9
  • Excesso de peso = 25 a 29,9
  • Obesidade = 30 ou maior

A obesidade é causada por vários fatores, incluindo a ingestão excessiva de alimentos e exercício físico insuficiente. Fatores hereditários também podem ser responsáveis pela condição. Enquanto o princípio básico de se exercitar mais e comer menos é recomendado no tratamento da obesidade, outros métodos de tratamento são empregados, incluindo a cirurgia bariátrica, as dietas de baixo teor calórico, supressores de apetite e, evidentemente, a utilização de inibidores da enzima.

Outras pessoas estão lendo

Enzimas digestivas

As enzimas digestivas são proteínas encontradas no sistema digestivo que ajudam a acelerar as reações químicas envolvidas na degradação e absorção dos alimentos naturais. Elas são produzidas por glândulas em várias partes do sistema digestivo, que se estende desde a boca até o intestino grosso. Por exemplo, as glândulas salivares produzem amilase salivar, uma enzima que decompõe o amido em açúcares, as glândulas gástricas produzem a pepsina, que quebra as proteínas em peptídeos e o pâncreas produz lipase pancreática, que quebra as gorduras em ácidos graxos e glicerol. Existem várias outras enzimas digestivas secretadas por outras partes do sistema digestivo, incluindo o estômago, intestino delgado, pâncreas e fígado.

Inibidores de enzimas digestivas e como elas funcionam

Inibidores de enzimas digestivas impedem a ação normal das enzimas digestivas. A ideia é que, se o alimento não é desmembrado, ele não será absorvido e não será armazenado no corpo como gordura. Inibidores de enzimas trabalham interferindo na ação enzimática, ligando-se à superfície da enzima e impedindo assim o substrato ou a substância, que será desmembrada e reduzida, de se ligar à enzima. A maioria dos medicamentos são concebidos desta maneira e inibidores de enzimas digestivas utilizados no tratamento da obesidade não são uma exceção. Um desses remédios é Orlistat, comercializado com a marca Xenical no Brasil. Ele é um inibidor da lipase e, portanto, impede a digestão e a absorção de gorduras, direcionando-as para fora do corpo pelos movimentos intestinais.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível