Como fazer reanimação cardiopulmonar (RCP)

Escrito por andrea coventry | Traduzido por bruna latronico
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como fazer reanimação cardiopulmonar (RCP)
Mesmo sem treinamento oficial em RCP, você ainda pode ajudar (Stockbyte/Stockbyte/Getty Images)

Uma emergência pode surgir a qualquer momento e requerer que você utilize a reanimação cardiopulmonar, conhecida como RCP, para socorrer alguém. As paradas cardiorrespiratórias precisam ser identificadas rapidamente e atendidas. Você pode receber treinamento para leigos em algumas universidades do país, ou treinamento oficial em instituições específicas, utilizando este artigo como referência. Lembre-se do ABC do atendimento: vias aéreas (A), respiração (B) e circulação (C).

Nível de dificuldade:
Moderadamente desafiante

Outras pessoas estão lendo

O que você precisa?

  • Treinamento em RCP

Lista completaMinimizar

Instruções

  1. 1

    Cheque a situação e a segurança da cena. Existe algum incêndio? Existem cabos de fios elétricos espalhados? Existe alguma coisa pontiaguda que possa lhe machucar? Certifique-se de que você chegue até a vítima com segurança, sem colocar em risco a sua própria vida ou a dela.

  2. 2

    Cheque o paciente. Ele está consciente ou inconsciente? Se aparenta estar inconsciente, verifique se há sinais de respiração. Pergunte (ou grite): "Você está bem?" enquanto o chacoalha pelos ombros. Se a vítima não responde, você precisará contatar um serviço de urgência e iniciar a RCP.

  3. 3

    Designe uma pessoa para lhe ajudar. Procure alguém ao redor da cena, aponte e ordene "Você, ligue para o SAMU 192" (ou qualquer outro serviço de urgência disponível). Se você estiver sozinho, primeiro chame ajuda, preferencialmente utilizando o auto-falante do aparelho de telefone, e inicie a RCP.

  4. 4

    Se estiverem disponíveis, utilize um dispositivo para insuflações "boca-a-boca" como barreira para contaminação, além de luvas. Isso protegerá você e o paciente. Se você não estiver treinado para fazer a etapa de ventilação (ou não tiver dispositivo adequado), você não precisa fazê-lo. Os protocolos de 2010 do American Heart Association priorizam a ordem de atendimento de parada para "CAB", em que as compressões (C) serão a prioridade do atendimento. Essa decisão foi tomada justamente pela facilidade das compressões frente à dificuldade de ventilação adequada no socorro. Portanto, se você não se sente capaz de manejar as vias aéreas, fique tranquilo e proceda com as compressões cardíacas, sempre rápidas e vigorosas.

  5. 5

    Abra as vias aéreas. Posicione uma mão na testa do paciente e dois dedos debaixo do seu queixo, gentilmente inclinando a cabeça para cima. Use os dois dedos para buscar algum fator obstrutivo na boca do paciente. No entanto, esse procedimento (conhecido como "veja, ouça e sinta") segue o antigo protocolo, servindo para verificar se o paciente respira ou não. Atualmente, alguns profissionais consideram que esta etapa toma muito tempo do atendimento. Quando forem necessárias as insuflações, em que você irá respirar pela vítima, tampe o nariz com seus dedos e expire através de sua boca, até ver o tórax da vítima se movimentar.

  6. 6

    Cheque o pulso carotídeo. Posicione dois dedos no pescoço da vítima, buscando pelo pulso da artéria carótida. Não gaste mais de 10 segundos na verificação do pulso. Se você sentí-lo, mantenha a via aérea da vítima aberta e coloque-a na posição de recuperação. Se não encontrar a pulsação, inicie as compressões cardíacas imediatamente.

  7. 7

    Inicie as compressões. Encontre a área do tórax em cima do esterno (osso do meio do peito, onde as costelas se encontram) e logo abaixo dos mamilos. Posicione a palma da sua mão dominante nesta área. Coloque a outra mão entrelaçada com a mão dominante e segure-as juntas. Deixe seus cotovelos e ombros estendidos e faça força contra o tórax da vítima de modo a afundá-lo cerca de 5 cm. Faça compressões rápidas, num ritmo de 100 compressões por minuto. Não se preocupe caso ocorram fraturas de costelas, pois estas são comuns, principalmente nos idosos.

  8. 8

    Faça 30 compressões e então pare para ventilar. Dê uma insuflação. Caso o tórax não levante, vede bem as vias aéreas e dê uma segunda insuflação. Continue com mais 30 compressões. Esse é o chamado ritmo de 30 compressões para 2 ventilações (30:2). Caso você não domine a ventilação, faça apenas as compressões sem pausa.

  9. 9

    Continue os ciclos até que a vítima retome a respiração e sinais de vida, ou até que o serviço de urgência chegue para o atendimento avançado. Procure revesar o atendimento com outro profissional treinado, evitando a exaustão dos socorristas.

Dicas & Advertências

  • Essas instruções de RCP são voltadas para adultos ou crianças maiores de oito anos. Para crianças entre um a oito anos, utilize apenas uma mão para as compressões (de mesmo ritmo) e insuflações um pouco menores. Em bebês menores de um ano, as respirações também têm que ser cuidadosas e a compressão torácica pode ser feita com dois ou três dedos no tórax.
  • O fluxo sanguíneo é o mais importante para manter o paciente vivo, portanto as compressões são muito importantes e devem ser feitas continuamente e sem grandes pausas.
  • Ao contatar o SAMU ou outro serviço de urgência, informe que o paciente está em parada cardiorrespiratória. Assim eles poderão enviar ajuda adequada, trazendo consigo um desfibrilador externo automático (DEA), que aplicará choques para conversão do ritmo cardíaco da vítima. Esses dispositivos estão disponíveis em shoppings, cinemas e estádios de futebol e podem ser utilizados por leigos, porque o próprio aparelho explica como dar o choque, por comando de voz.
  • Não se preocupe em ser processado caso você cometa um erro de atendimento. Você está agindo de boa vontade e será protegido pela iniciativa de ter dado o primeiro atendimento.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível