Como tocar um walking bass com dedilhado no violão

Escrito por carlos mano | Traduzido por rodrigo bittencourt
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como tocar um walking bass com dedilhado no violão
Músicas complexas de violão normalmente requerem o uso de todos os dedos. (The man playing the guitar image by Nadezda Kraft from Fotolia.com)

Uma das vantagens de tocar violão com dedilhado (em vez de uma palheta) é que você pode tocar músicas mais complexas. Esse estilo é o padrão dos sons mais complicados, como flamenco, música clássica, um pouco do jazz, samba e bluegrass. Normalmente, essa técnica implica tocar as três cordas graves com o polegar e as outras três agudas com os quatro dedos - mas esse nem sempre é o caso.

Nível de dificuldade:
Moderadamente desafiante

Outras pessoas estão lendo

Instruções

  1. 1

    Comece a pensar em sua mão direita como duas coisas distintas - o polegar toca a linha de base e os dedos tocam todo o resto. É útil pensar em sua mão direita executando dois papéis - como as duas mãos sobre o piano. Os estilos de piano boogie-woogie ou road-house são composto por uma escala de baixo tocada pela mão esquerda, enquanto a mão direita toca a melodia. Este é exatamente o efeito que você quer quando toca violão dedilhado com walking bass. Muitas vezes - especialmente em jazz e bluegrass - a linha de base "caminha" através das notas do acorde na harmonia. Na música clássica e no flamenco, a linha de base é, por vezes, o contraponto ao que acontece na linha melódica.

  2. 2

    Aprenda (ou crie) a linha de base primeiro - é isso que pianistas fazem. Em seguida, aprenda (ou crie) a melodia ligada ao baixo. Um walking bass é uma série de notas graves que dão pequenos passos para cima ou para baixo da escala - invertendo as direções em pontos-chave da composição. Linhas de baixo simples tocam a tônica ou subdominante do acorde no primeiro tempo de um compasso. Uma das principais razões para tocar no estilo dedilhado é que assim que você pode separar a base da melodia e fazer um som de violão mais parecido com um piano, enquanto mantém o rico tom lúdico do instrumento.

  3. 3

    Aprenda a fazer backthumb. Esta é uma técnica que se originou no flamenco que se espalhou para outros estilos dedilhados - especialmente clássico e bluegrass. A maneira usual de o polegar direito tocar uma corda grave é empurrá-la em direção às cordas agudas e soltá-la. Backthumbing envolve tocar a corda na outra direção - empurrar a corda em direção à cabeça do violonista e liberá-la. Isso requer um pouco de prática, mas pode aumentar muito a velocidade e precisão das linhas de walking bass, e você não terá de mover o polegar até a parte de cima da corda que deseja tocar - você pode tocá-la de cima ou de baixo. Walking bass requer muitas notas numa mesma corda, e backthumbing torna isso muito mais fácil.

Dicas & Advertências

  • Pratique a escala (nas cordas graves) que você vai tocar até que ela se torne muito fácil. Depois, você pode pensar na linha de baixo, sobre quando ela desvia da escala. Isto a deixará mais fácil de tocar e memorizar.
  • Você não pode fazer backthumb se estiver usando palhetas de dedo. É uma ótima razão para não usá-las. Nenhum grande violonista clássico ou de flamenco as usa.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível