Mais
×

Uso de máscaras no carnaval da Espanha

Luxuosas máscaras de carnaval são usadas a cada fevereiro em mais de 20 cidades por toda a Espanha. Os participantes deste evento, um festival público de excessos que inaugura a chegada da Quaresma, usam fantasias e máscaras elaboradas, muitas vezes fazendo coisas radicais que normalmente seriam socialmente inaceitáveis. As máscaras têm servido historicamente para proteger a identidade desses carnavalescos. Elas também contribuem com a beleza, o mistério, e dão brilho ao espetáculo do festival.

As máscaras de carnaval são tipicamente usadas com fantasias deslumbrantes (venice carnival image by Harrycat from Fotolia.com)

Função

As máscaras servem tradicionalmente a três propósitos nas celebrações do carnaval espanhol: decoração, anonimato e expressão pessoal. O carnaval é uma época de alegria antes do período sombrio e acético da Quaresma. As máscaras brilhantes e coloridas contribuem para a diversão do feriado. Essas máscaras também permitem que os participantes do evento mantenham-se no anonimato enquanto excedem no comportamento. Embora as máscaras e fantasias do carnaval sejam sempre muito chamativas, elas também podem ser incisivas e engenhosas, zombando de figuras públicas e fazendo declarações políticas.

Significado

De acordo com um artigo de 1993 do antropólogo David Gilmore, o carnaval espanhol permite a suspensão temporária da identidade pessoal e do status social. Os participantes transgredem as barreiras de gênero e classe, ignorando as regras religiosas e sociais. As máscaras representam essa fluidez social. Elas também permitem que os carnavalescos assumam novas identidades e ajam de maneiras que, em qualquer outro período do ano, seriam consideradas impróprias ou chocantes. As máscaras são parte da razão pela qual, no carnaval, tudo pode acontecer.

História

O carnaval da Espanha é descendente do carnaval italiano de Veneza. Os carnavais europeus derivam de muitas tradições do festival romano Saturnalia e o festival grego Dionysia, ambos envolvendo máscaras. O carnaval espanhol foi banido pela ditadura de Franco entre 1938 e 1981, transformando o festival em um ato de protesto político. Durante esse período, como David Gilmores detalha em seu artigo "The Democratization of Ritual: Andalusian Carnival after Franco" (A Democratização do Ritual: O Carnaval de Andaluz depois de Franco), as máscaras protegiam a identidade dos carnavalescos politicamente subversivos.

Geografia

As máscaras podem ser vislumbradas em muitas celebrações de carnaval, as mais suntuosas acontecem em Cádiz, Tenerife e Stiges. No entanto, as máscaras são particularmente populares nos carnavais na região espanhola de Zamora, que faz fronteira e compartilha uma herança cultural com o norte de Portugal. Para os viajantes interessados em conhecer detalhadamente o carnaval de máscaras de Zamora, o Museu de Máscaras e Fantasias Ibérico possui dois andares dedicados ao carnaval e as festividades de máscaras de Zamora. Esse museu se localiza em Bragança, Portugal.

Considerações

Embora as máscaras sejam uma parte importante do carnaval da Espanha, elas não são um acessório obrigatório. A permissividade da sociedade contemporânea, combinada com a importância da liberdade, da expressão democrática da Espanha pós-Franco, significam que as máscaras não são mais necessárias. No entanto, elas ainda fazem parte da experiência do carnaval por representarem a alegria, a beleza e a coesão social que o feriado traz à tona.

bibliography-icon icon for annotation tool Cite this Article