Vestimentas do velho-oeste norte-americano em 1800

Escrito por marisa swanson | Traduzido por erika f curto
Vestimentas do velho-oeste norte-americano em 1800
Os caubóis dos anos de 1800 e de hoje em dia usam chapéus para proteger os olhos e o rostos do sol (Thinkstock Images/Stockbyte/Getty Images)

Ao pensar sobre o velho-oeste norte-americano em 1800, as chances são de que se pense em pioneiros, no Oregon Trail, na busca pelo ouro e em caubóis. O vestuário masculino durante este período normalmente focava-se em funcionalidade. Muitas mulheres pioneiras tinham que trabalhar sua própria terra e eliminaram o espartilho, enquanto mulheres que se entretinham em salões usavam estilos diferentes, que mostravam suas formas.

Caubóis

Os anos 1800 viram uma insurgência de viagens para o oeste. O "caubói" surgiu, estabelecendo-se e trabalhando em fazendas de gado na parte oeste do país. O traje de um caubói era simples e funcional: camisas de algodão lisas que abotoavam na parte superior, permitindo o conforto para respirar em atividades ao ar livre. Os chapéus de caubói com abas largas permitiam a proteção, em uma época em que não havia protetor solar e óculos de sol. O tecido denim usado como jeans fornecia um exterior mais resistente do que as calças tradicionais, protegendo contra pequenos arranhões e durando mais, o que proporcionava uma peça econômica de roupa. As botas de caubói de couro ajudavam a proteger os pés de umidade e das poças. As perneiras de couro eram um tipo de proteção usada no topo das calças e cobria a parte da frente das pernas. Os cintos com um coldre de arma erguiam as perneiras e as calças e forneciam liberdade para as mãos, para carregar uma arma em todos os momentos.

Mulheres pioneiras

As mulheres na nova fronteira, que viviam em terrenos acidentados, não tinham uso para tecidos bonitos ou espartilhos. Elas usavam vestidos simples de algodão que se estendiam até os tornozelos, geralmente usando um saiote (uma saia de algodão fino) por baixo. Elas usavam gorros com uma borda se estendendo pela testa, protegendo os olhos e o rosto do sol e da poeira. As mulheres usavam aventais em casa durante o cozimento e a limpeza, para proteger seus vestidos da sujeira. Usavam botas de couro fino, que amarravam-se vários centímetros acima dos tornozelos. Mais saiotes eram adicionados em temperaturas mais frias.

Damas pintadas

"Painted Lady", ou "dama pintada", foi um termo usado para descrever uma mulher que trabalhava em um bordel durante a época. As casas de má reputação surgiram no oeste para servir aos homens cujo estilo de vida trabalhadora privou-os da companhia de mulheres. As damas pintadas eram encontradas em bares e adotavam um vestuário mais atraente e feminino para atrair os homens. Elas muitas vezes usavam saias longas ou curtas (para mostrar suas pernas) de seda drapeada. Usavam meias sob as saias e normalmente usavam apenas um espartilho, que mostrava os ombros e as partes superiores dos seios.

Comerciantes

Nem todo homem no velho-oeste trabalhava na extração de ouro ou em uma fazenda de gado. À medida em que as cidades surgiram, os comerciantes passaram a administrar lojas de materiais e salões. Esses homens não tinham necessidade de perneiras ou botas de caubói. Ao invés disso, usavam calças, jaquetas e coletes de lã ou algodão. Por baixo, as camisas eram feitas de algodão branco. Usavam um estilo de "gravata borboleta ocidental", que era um pequeno pedaço de tecido ou fita amarrada em um laço no pescoço, com longas pontas que pendiam por vários centímetros abaixo do laço. Esses homens ainda usavam cintos de couro com coldres de armas, para protegerem-se contra a violência da época. Quando estavam em ambientes exteriores, vestiam chapéus de caubói.