10 contribuições dos gregos antigos

Escrito por ollie wright | Traduzido por marina mendes
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
10 contribuições dos gregos antigos
A primeira civilização que floresceu na Grécia Antiga teve grandes implicações sobre o desenvolvimento da humanidade (Temple of Apollo in the Ancient Agora in Athens, Greece image by Diane Stamatelatos from Fotolia.com)

A civilização que floresceu na Grécia Antiga teve implicações enormes sobre o desenvolvimento da humanidade. Em todos os setores da vida, seja nas leis ou na política, esporte ou terminologia, as inovações daquele período são importantes até hoje. Na verdade, é justo dizer que a civilização ocidental que conhecemos só existe por causa dos avanços feitos pelos nossos ancestrais gregos.

Outras pessoas estão lendo

A Acrópole

A Acrópole, ou “cidade alta”, era escolhida como um ponto de encontro para cidades sob ataque. Ela também hospedava os principais templos. A Acrópole de Atenas era o lugar do simbólico Partenon e suas ruínas existem até hoje. “The Athenian Acropolis” é o site da UNESCO dedicado a esse patrimônio histórico mundial.

Os Jogos Olímpicos

O maior festival de esportes do mundo data da Grécia Antiga, do festival em Olímpia, em honra ao deus Zeus. Atletas de todo o mundo grego eram escolhidos para competir por honrarias. Os eventos dos Jogos Olímpicos originais incluíam arremesso de disco e lança, os quais são praticados até hoje.

Cidadania

O conceito de cidadania foi criado pelos atenienses antigos. Cidadãos eram o grupo de pessoas que podiam escolher o governo. Eles completavam um período compulsório de serviço militar e tomavam parte no serviço de júri. Para se tornar um cidadão, o homem deveria ser filho de atenienses. As mulheres não faziam parte da vida pública naquela época.

As fábulas de Esopo

Diz-se que Esopo, um contador de histórias, era um escravo que entretia seu mestre tão bem que foi libertado. As fábulas de Esopo foram passadas de geração em geração até chegarem aos dias atuais. Talvez a fábula mais famosa seja a da tartaruga e o coelho, em que a lenta tartaruga supera o rápido coelho.

O cavalo de Troia

Diz a lenda que, para penetrar as muralhas da cidade de Troia, os guerreiros gregos construíram um cavalo gigante de madeira, e dentro dele esconderam 30 de seus homens. Esse foi um presente falso aos troianos, que o trouxeram para dentro da cidade. Após anoitecer, os homens que estavam escondidos abriram os portões da cidade e deixaram o exército grego entrar.

Sócrates

Sócrates foi o primeiro filósofo. Ele se importava com a natureza da beleza, com a sabedoria e com o que era certo. Seu método era fazer perguntas, tentar expor a fraqueza das noções preconcebidas pelos atenienses. Sócrates foi o mestre de Platão, o segundo grande filósofo ateniense.

Platão

Platão examinou a natureza da filosofia e a estabeleceu como uma ferramenta para analisar a ética da época. Ele concebeu algumas ideias abstratas (por exemplo, beleza, justiça, igualdade) que vão além do mundo físico. Ele ensinou ainda que para ser boas, as pessoas devem estudar e entender a natureza própria da bondade.

Aristóteles

Aristóteles estudou na Academia de Platão, e foi tutor do então futuro imperador Alexandre, o Grande. Ele foi o responsável pelo primeiro jardim botânico e o primeiro zoológico do mundo. Aristóteles realizou questionamentos filosóficos sobre a natureza humana, concluindo que o maior bem na vida é a felicidade, à que todos deveríamos aspirar.

Teatro

O teatro constituia enorme parte da cultura grega. Havia teatros em toda cidade e competições premiavam os melhores escritores e atores. A palavra teatro vem do grego "Theatron", que descreve a parte da arena em que ficam os assentos ao ar livre, onde as pessoas assistiam às peças. As peças de comédia, tragédia e peças satíricas foram todas inventadas pelos gregos.

Julgamento com júri

Os atenienses antigos inventaram o julgamento com júri. Os jurados tinham que ser cidadãos de pelo menos 30 anos de idade. Um júri podia ter até 500 pessoas para garantir que fosse impossível subornar a maioria. Ao ouvir os dois lados de um caso, o júri decidia se o réu era culpado ou inocente.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível