A crença dos gregos antigos sobre a vida após a morte

Escrito por c. paul martin | Traduzido por karla marques vollkopf
A crença dos gregos antigos sobre a vida após a morte
Platão foi um dos primeiros filósofos gregos a desenvolver uma nova crença na vida após a morte (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

A partir do século 8 a.C. até o segundo século d.C., todas as grandes civilizações do mundo experimentaram o que o filósofo alemão Karl Jaspers chamou de "Era Axial", um período de transição do politeísmo e divindades míticas a um conceito monoteísta de Deus e um conjunto objetivo de morais. Nessa época, os gregos exibiam várias crenças diferentes a respeito da morte e a vida após ela, todos dependendo de um conjunto diferente de fundamentos filosóficos e religiosos.

Os primeiros conceitos de Hades

Antes do século 8 a.C., a maioria dos gregos tinha uma ou várias crenças religiosas. Comum na maioria dessas crenças era o medo subjacente da morte. Como resultado, uma crença foi desenvolvida da morte como um ser vivo, perseguindo a terra e pronto para enfrentar qualquer um que o desagrade. Este ser ficou conhecido como Hades, uma divindade a quem sacrifícios eram feitos para evitar a morte e desastres. Acreditava-se que a morte sempre resultava de desagradar a Hades, e uma pessoa, quando morta, virava escrava dele.

Aplacando os deuses

Assim como Hades surgiu do medo da morte, a crença em outras divindades foi formada parcialmente da esperança por uma vida mais feliz após ela. Os gregos acreditavam que o destino de uma pessoa após a morte dependia da sua relação com os deuses. Um bom relacionamento resultava em uma passagem pacífica ou heroica desse mundo para o outro, e a pessoa viveria eternamente como um convidado nos palácios dos deuses. Aqueles que não prestassem homenagens aos deuses em vida, no entanto, sofreriam uma morte dolorosa e/ou vergonhosa, e teriam castigos eternos no inferno. Em qualquer cenário, apenas o espírito da pessoa e os objetos ou pessoas transportadas com ele chegariam além-mundo.

Platão

Platão, um dos primeiros filósofos da Era Axial, foi o primeiro a propagar novas compreensões da religião e da filosofia que afetaram drasticamente os entendimentos da vida após a morte. Para Platão, o homem existia no corpo e forma, e a sua forma não podia morrer. Após a morte, sua alma era solta em um estado de liberdade espiritual total. Ironicamente, esse estado aparentemente contradizia as consequências da conduta terrena de uma pessoa; boas pessoas que desfrutaram da proteção da lei seriam afligidas pela súbita liberdade na vida após a morte, enquanto as pessoas más que ressentiam a lei sentiriam alegria com a felicidade repentina. As opiniões de Platão receberam muito pouca popularidade, mas foram aceitas quando combinadas com pontos de vista religiosos mais gratificantes ao bom comportamento.

Aristóteles

Aristóteles expandiu os conceitos de Platão sobre a alma e o corpo, propondo uma hierarquia de seres em toda a existência. Para as almas, a mais alta perfeição de seres espirituais era um Deus único todo-poderoso, em cujo serviço a existência terrena era medida. O bom comportamento era calculado por um conjunto de morais que o Deus único encarnava, e que Aristóteles chamava de virtudes. No entanto, os princípios de Aristóteles da conduta terrena não foram muito bem aceitos, pois ele propunha a morte da alma como parte de sua crença. Assim como os princípios de Platão, Aristóteles precisou ser misturado com outras fundações religiosas antes de ficar popular. Muitos consideram os princípios combinados de Platão e de Aristóteles como o quadro que deixou a civilização ocidental mais receptiva ao eventual surgimento do cristianismo.