Qual a diferença entre esposa e concubina?

Escrito por stuart robertson | Traduzido por camille sampaio
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Qual a diferença entre esposa e concubina?
Alguns padres tinham concubinas, independentemente de seus votos de celibato (Photos.com/Photos.com/Getty Images)

A diferença principal entre uma esposa e uma concubina é que o homem não se casa com a concubina, e a concubina não têm os mesmos direitos legais e proteções de uma esposa. Os filhos de uma concubina, por exemplo, foram por vezes não levados em consideração em heranças. Uma mulher que se torne concubina de um homem poderoso, entretanto, pode usar sua posição para avançar em seu próprio status social ou o de sua família.

Outras pessoas estão lendo

História

É provável que a ideia de uma concubina seja tão antiga quanto a de casamento. A civilização romana, por exemplo, tolerava o concubinato, que é a prática de manter uma concubina. Elas e a prática de mantê-las são ambos fatos mencionados na Bíblia, e foram, por todas as aparências, uma prática legítima e comum da época. Concubinas devem ter vivido domesticamente com um homem, e eram consideradas esposas secundárias de uma escala inferior.

Diferenças de classe

Em alguns casos, as diferenças de classe podem ter evitado que um homem tivesse uma mulher como esposa, e então ela seria transformada em concubina no lugar. Casar-se com uma escrava, por exemplo, era ilegal em várias épocas da história, e então um homem e uma escrava que poderiam ser casados definiriam sua relação como concubinato.

Um arranjo

A prática do concubinato na Bíblia geralmente se refere com respeito a homens poderosos de altas classes. Uma mulher poderia desejar ser concubina de um homem poderoso. Seu status na sociedade poderia aumentar, dependendo de seu status antes de se tornar concubina, e ela também poderia aproveitar uma melhora na qualidade da vida cotidiana. Os imperadores da China antiga, por exemplo, costumavam manter milhares de concubinas.

A Igreja

Independentemente da popularidade do concubinado na história, foi a Igreja católica que liderou o final da prática. No século XVI, a Igreja foi contra o concubinato, que era tolerado ate então. Protestantes seguiram a igreja católica quanto a esse assunto, e começaram a eliminar a prática. Ambas as igrejas favoreciam o casamento e não o concubinato, acreditando que as concubinas representavam uma falha moral. Os estados seguiram, e a prática de manter uma concubina se tornou crime em certas regiões.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível