Plano de cuidados de enfermagem para uma lesão medular

Escrito por contributing writer | Traduzido por ronaldo moretti
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

Uma lesão medular pode ser uma condição muito séria que exige cuidados 24 horas por dia para o paciente. Como enfermeiro, é o seu trabalho não só se certificar de que o paciente esteja recebendo eventuais tratamentos, medicamentos, ou testar as ordens do médico; é também o seu trabalho verificar se o paciente está confortável, e que está sendo bem cuidado mentalmente e emocionalmente. A complexidade de uma lesão medular exige que você preste muita atenção a cada detalhe que o paciente lhe informa ou que você observar, para que você possa relatar quaisquer problemas ou complicações ao médico responsável.

Outras pessoas estão lendo

Tratamento inicial

Se você trabalha no pronto-socorro de um hospital, em algum momento terá um paciente com uma lesão na medula espinhal. Para que o prognóstico do paciente seja o melhor que pode ser, você deve trabalhar estreitamente com os médicos e outros enfermeiros para certificar-se de que várias coisas não aconteçam. Por exemplo, cabeça e pescoço do paciente precisam ser estabilizadas para garantir que ele não tenha ainda mais danos; pode ser necessário colocar o paciente em tração. Ele pode necessitar de assistência respiratória também, dependendo da gravidade de sua lesão. Mantenha-o mais imobilizado possível, com a administração de sedativos, se solicitada, para permitir menos movimento ou irritação durante exames e tratamentos; você deve também monitorar o seu consumo de oxigênio. Outras coisas que o médico poderá prescrever são a colocação de um cateter, de modo a permitir que o paciente se livre dos resíduos e não os deixe armazenados em sua bexiga. Os sinais vitais também precisarão ser acompanhados cuidadosamente, pois o paciente pode desenvolver sinais de dores cardiovasculares ou coágulos de sangue. O médico poderá prescrever um medicamento chamado Medrol a ser dado ao paciente, e isso precisa ser feito imediatamente para possivelmente minimizar danos causados à medula espinhal. Claro, manter os prontuários cuidadosamente atualizados é sempre uma obrigação, pois isso mantém os médicos e outros enfermeiros que vêm em diferentes turnos atualizados e cientes de qualquer história ou potenciais complicações.

Cuidado continuado

O paciente provavelmente será admitido no hospital para ficar por vários dias ou até semanas. Se ele não for capaz de se mover abaixo de um certo ponto, ele pode correr risco de determinadas complicações. Você precisa manter seu acompanhamento de saúde cardiovascular e respiratória, especialmente observar o risco de coágulos de sangue, pois a imobilização aumenta drasticamente o risco delas. Ele pode precisar de exercícios chamados exercícios de amplitude de movimento, para evitar que os braços e pernas percam músculo e fiquem flácidos. Verifique se o paciente está virado ou movido para uma posição diferente a cada duas horas para que o risco de úlceras de pressão possa ser minimizado; Examine sua pele a cada oito horas. As informações de entrada e saída do paciente precisam ser anotadas; dessa forma, se aparecerem sinais de retenção, algo pode ser feito para ajudar o paciente. Você deve dar todos os medicamentos que são ordenados e anotar no prontuário que eles foram dados. Mais uma vez, os prontuários são cruciais nesse momento para mostrar o progresso do paciente e do seu histórico.

Reabilitação

Conforme o paciente melhora, ele pode ser transferido para um centro de reabilitação para se recuperar e aprender a viver com a sua lesão. Como enfermeiro no centro de reabilitação, você pode ter vários postos de trabalho. A maioria dos centros de reabilitação envolve terapeutas e fisioterapeutas, mas você vai acompanhar a saúde geral do paciente, e pode ajudá-lo com determinados procedimentos. Você vai ajudar o paciente no seu processo de recuperação, encorajando-o a ir para cada sessão com o fisioterapeuta, pois isso irá acelerar sua recuperação. Enquanto isso, ele estará trabalhando não apenas com o treinamento de movimento e força, mas estará aprendendo a viver com a sua lesão, como o uso de uma cadeira de rodas. Ele vai estar reaprendendo até as tarefas mais simples, pois terá que fazê-las de maneira diferente agora. Você também precisará ensinar ao paciente certos aspectos físicos de sua lesão e coisas que ele pode esperar quando chegar em casa. Ele pode precisar aprender a usar um cateter; aprender sobre ITU's e cuidados da pele, além de ter certeza de que sua casa estará pronta quando ele chegar lá.

Medidas de conforto

O ambiente do paciente deve ser adequado às suas necessidades nesse momento. Mantenha o quarto em uma temperatura confortável e certifique-se de que o paciente tenha bastante cobertores. Se o paciente tem incontinência de urina ou intestino, certifique-se de que ele permaneça limpo e seco tanto quanto possível. Talvez você precise administrar medicamentos para dor, conforme necessário, ou conforme solicitado pelo médico. Além disso, certifique-se de que o paciente tenha descansado o suficiente, dando-lhe o máximo de privacidade que precisar. Se o paciente não conseguir descansar, certas coisas podem ser feitas para ajudá-lo, tais como imagens visuais, uma técnica na qual você ajuda o paciente a fechar os olhos e imaginar um lugar que ele gostaria de estar nesse momento. Por exemplo, ele pode querer estar numa praia, ouvindo e sentindo as ondas batendo, e o calor do sol batendo sobre ele. Sente-se e tente ver tudo isso na cabeça do paciente e isso poderá ajudá-lo a relaxar muito mais.

Atendimento psicológico

Devido a todo estresse causado por uma lesão da medula espinhal, o paciente vai precisar de você às vezes apenas para estar lá como seu enfermeiro. Ele vai precisar de encorajamento e toda a ajuda que você pode lhe dar desde o início. Ele vai provavelmente passar por um processo de luto, como se tivesse perdido uma parte de sua vida que ele nunca poderá recuperar. Ele pode ter problemas de enfrentamento. Como seu enfermeiro, você precisará certificar-se de que você se comunica eficazmente com ele; estude e pesquise sua lesão, para que possa compreender inteiramente o que está acontecendo com ele fisicamente. Isso permitirá uma comunicação melhor com o paciente. Seja honesto e atenciosao com ele; não esconda qualquer detalhe, pois isso pode levar a desconfiaças mais tarde. Mais importante, ouça o paciente. Ele só precisa de um ouvido lhe escutando nesse momento. Conforme ele melhora e começa a ganhar capacidade de fazer certas coisas por conta própria, encorage e elogie, pois isso irá melhorar seu bem-estar emocional geral e pode o estimular para continuar e não desistir. Conheça o que seu paciente gosta ou não gosta. Se for administrar um tratamento, informe o paciente o que você está fazendo em detalhes, para que ele compreenda o que esperar. Se o paciente fica entediado, o que é muito possível com a imobilização, encontre coisas interessantes para ele fazer, baseado no que você aprendeu sobre ele, ao conhecê-lo. Por último, observe e relate qualquer sinal de angústia psicológica no paciente, para que se necessário, ele possa ser visto por um assistente social ou terapeuta.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível