Sinais de infecção em mordida de cachorro

Escrito por contributing writer | Traduzido por lara scheffer
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Sinais de infecção em mordida de cachorro
Saiba reconhecer os sinais de infecção em uma mordida de cachorro (Jupiterimages/Brand X Pictures/Getty Images)

Mordidas de cachorro são perigosas e traumáticas, resultando em uma grande possibilidade de infecção — especialmente se a mordida não for tratada. A saliva de um cachorro tem uma grande diversidade de bactérias. Em quase 100% das mordidas caninas, bactérias prejudiciais e outros patógenos perigosos estão presentes e podem ser transmitidos à ferida. Sinais de que uma mordida de cachorro está infeccionada inclui vermelhidão, dor e secreção de pus.

Outras pessoas estão lendo

É provável que uma mordida de cachorro infeccione, se não for tratada

Cães mordem aproximadamente dois milhões de pessoas todo ano. Cerca de 1% dos afetados se machucam sério o bastante para precisarem de hospitalização. Crianças são atacadas com mais frequência do que adultos e a infecção é mais frequente em meninos do que em meninas. Existem vários fatores que contribuem para a probabilidade de uma mordida de cachorro infeccionar. De todas as mordidas, de 15% a 20% se infeccionarão. Mordidas caninas representam mais de 80% de todas as mordidas de animais documentadas.

Fique de olho no inchaço

A inflamação em volta da mordida é o sinal mais comum de infecção. A vermelhidão e o inchaço geralmente se desenvolvem em cerca de oito horas, mas podem levar até um dia. Aumento de calor em volta da ferida também é um sinal de infecção, assim como a secreção de pus. Glândulas linfáticas que aumentam ou ficam sensíveis também podem ser uma indicação de que a mordida está infeccionada. Riscos avermelhados nos braços ou pernas, saindo da ferida, também são outro sinal.

Infecções sérias podem causar a morte

Sinais mais graves e avançados da infecção de uma mordida de cachorro incluem meningite, abscesso cerebral e até uma infecção cardíaca. A infecção da ferida pode causar morte, inflamação da medula óssea ou artrite gangrenosa. Nunca deixe de tratar a ferida de uma mordida canina. Qualquer mordida de cachorro que rompa a pele e cause um pequeno sangramento deve ser completamente limpa e receber muita atenção para que se reconheça os sinais de infecção. Se ocorrer inchaço ou secreção de pus, ajuda médica deve ser procurada imediatamente.

Sinais de alerta para raiva

Uma infecção grave de mordida canina também pode causar alucinações, especialmente se o animal tiver raiva. Os primeiros sinais de raiva são sintomas semelhantes aos da gripe, incluindo dor de cabeça e febre alta. Espasmos musculares e uma aversão súbita à água logo após uma mordida de cachorro podem ser indicação de uma infecção raivosa.

Tétano e sepsia

Infecções sérias e letais, como o tétano, podem ser transmitidas através da ferida de uma mordida de cachorro. Sinais do tétano após uma mordida canina são inchaço e dor na área da ferida, dor de cabeça e espasmos musculares. A melhor proteção contra tétano é receber uma vacina a cada cinco anos. Se faz mais de cinco anos que o paciente tomou uma vacina contra tétano, o médico a receitará como parte do tratamento. A sepsia, também conhecida como septicemia, também pode ser causada por uma mordida de cachorro. Os sinais da sepsia incluem arrepios, febre e exaustão ou colapso. A septicemia deve ser tratada imediatamente por um médico qualificado, que receitará antibióticos.

O tratamento de uma mordida de cachorro deve começar imediatamente

Micro-organismos prejudiciais podem se desenvolver na ferida de uma mordida de cachorro e, subsequentemente, causar infecções perigosas. As mordidas que infeccionam são muito sérias e podem resultar na amputação do membro. Logo depois da mordida, a ferida deve ser lavada completamente com água morna e sabão e um antisséptico deve ser aplicado. A ferida deve ser enfaixada.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível