Técnicas para reduzir a ansiedade em adolescentes

Escrito por mary earhart | Traduzido por marcella narvaes
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Técnicas para reduzir a ansiedade em adolescentes
Técnicas para ajudar um adolescente com ansiedade (Stockbyte/Stockbyte/Getty Images)

Enquanto um estudo da Universidade da Flórida mostrou que adolescentes de 17 anos com sintomas de ansiedade têm um risco maior de ficarem dependentes de álcool e maconha, os pesquisadores também continuam a seguir os passos desses adolescentes para ver se o nível de ansiedade diminui conforme eles amadurecem. Por isso, o alívio da ansiedade pode reduzir o abuso de substâncias, mas medicações não são necessárias. Geralmente ligada à depressão, a ansiedade pode incluir nervosismo, preocupação, irritabilidade, apreensão e medo inexplicado. Os sintomas físicos podem ser pulso rápido, tontura, suores e dor no peito. Terapias com mudanças de estilo de vida e nutricionais podem ajudar.

Outras pessoas estão lendo

Habilidades práticas

Respirar profundamente em situações de ansiedade acalmarão o corpo rapidamente e facilmente. Uma série de cinco a 15 longas inalações e exalações de ar fresco pelo nariz com a boca fechada são bastante eficazes. Ambos os pés devem estar no chão para apoio.

Encontrar autonomia, ou o seu eu autêntico, pode ser difícil para adolescentes. Ser capaz de ficar em casa sozinho, sem TV ou rádio ligados para companhia, pode ser ótimo, mas não deve ser forçado. Equilibrar habilidades sociais leves com novas mais difíceis, como costurar, cerâmica ou jogos mentais com números pode ajudar os adolescentes a encontrarem equilíbrio em si mesmos.

Terapias de conversação

A psicoterapia orientada para o paciente pode ajudar os adolescentes a entenderem quais são os fatores emocionais ou psicológicos para a sua ansiedade. A escolha de um terapeuta é importante, por causa da necessidade de reforçar a autoconfiança. Ao identificar padrões de autodefesa, eles serão mais capazes de evitar reações que levam à ansiedade.

Uma terapia orientada para um objetivo ou comportamental, na qual o terapeuta age como um técnico ou professor, também pode ter bons resultados. Adolescentes praticam avaliar situações sem medos exagerados e recebem feedback sobre o seu progresso com o tempo.

Considerações nutricionais

Os alimentos calmantes contêm pequenas quantidades de substâncias químicas usadas em medicamentos ansiolíticos. Os seguintes alimentos incluídos na dieta ajudam com a ansiedade: lentilha, soja, arroz, milho, batatas, cerejas e cogumelos.

O açúcar refinado aumenta energia e melhora o humor, pelo menos brevemente; e então, ele faz com que o problema original seja pior ao causar uma queda de serotonina, uma substância química do cérebro que melhora o humor. Essa mudança faz com que os adolescentes fiquem com mais fadiga, depressão e ansiedade. A hipoglicemia (nível baixo de açúcar no sangue) é uma condição que pode criar esse tipo de instabilidade mental, mas pode ser detectada através de um simples exame de sangue. O tratamento para essa condição se faz através de uma nutrição melhor, ao aumentar a ingestão de alimentos integrais e proteínas de alta qualidade, como o arroz integral, iogurte, tofu, feijão, peixe e frango. A eliminação da farinha branca e açúcar, além de outros alimentos processados, é essencial. Uma dieta rica em fibras e baixa em óleos hidrogenados e gorduras saturadas é também associada com uma saúde geral melhor.

Para manter as substâncias químicas do cérebro equilibradas, é melhor comer refeições pequenas e frequentes, tendo de cinco a sete porções de proteína, de sete a 11 de vegetais, de duas a três de frutas e de três a cinco de grãos. As porções são de meia xícara.

Além do açúcar, os adolescentes devem evitar todos os outros estimulantes que iniciam e exacerbam a ansiedade. A cafeína pode causar ansiedade grave e ataques de pânico. Adolescentes são mais sensíveis aos efeitos da cafeína no sistema nervoso central. Note que interromper a ingestão de cafeína abruptamente pode gerar ansiedade; pare gradualmente.

Ervas

Há muitas ervas que têm efeitos calmantes e são úteis como intervenções naturais para a ansiedade. É melhor experimentar uma de cada vez no começo, apesar de que algumas, como a damiana e a passiflora, funcionam melhor juntas como um chá.

Os chás podem ser tomados de três a quatro vezes por dia. Algumas a serem experimentadas são a valeriana, camomila, passiflora, damiana e ginsengue. A erva-de-são-joão e kava vêm em um formato de pílula e devem ser ingeridas três vezes ao dia. O efeito completo da erva-de-são-joão pode não ser sentido por três semanas.

Vitaminas e minerais

A vitamina natural A do óleo de fígado de peixes repõe esse antioxidante que é esgotado durante os episódios de ansiedade. Um complexo de alta dosagem B tomado regularmente por pelo menos três meses é conhecido por aliviar a ansiedade. As deficiências da vitamina B causam medo, insônia, depressão e baixos níveis de serotonina. A vitamina E é um antioxidante perdido no processamento de grãos e óleos. Duzentos IU de vitamina E, como tocoferóis misturados de óleos vegetais, são uma ótima dosagem para pessoas com menos de 20 anos.

A ansiedade relacionada com a deficiência de cálcio é um tipo de tensão caracterizado por mal-humor e irritabilidade, às vezes com insônia, depressão e memória debilitada. Um grama de citrato de gluconato é recomendado, combinado com 400 mg de magnésio, o que melhora o sono e ajuda a aliviar a tensão e ansiedade durante o dia.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível