Como funcionam os disparadores das baterias Alesis?

Escrito por samuel wade | Traduzido por pina bastos
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Como funcionam os disparadores das baterias Alesis?
As propriedades piezoelétricas dos cristais, como o quartzo, são usadas em disparadores de baterias (little druze of calcite and quartz image by Alexander Maksimov from Fotolia.com)

O Alesis é um dos melhores fabricantes de instrumentos de percussão eletrônica, inclusive por seu longo módulo de tambor DM5, que há muito tempo é prestigiado. Sua gama de opções se estende de baterias individuais para estudo a kits completos de instrumentos eletrônicos profissionais. Todos esses produtos, como a maioria das baterias eletrônicas, fazem uso de transdutores piezoelétricos para desencadear os sons.

Outras pessoas estão lendo

Piezoeletricidade

Esse fenômeno foi primeiramente demonstrado no fim do século 19 por Pierre Curie, que depois ganhou o Prêmio Nobel com sua mulher, Marie, por seu trabalho sobre radiação, e seu irmão Jacques. Substâncias que incluem cristais, algumas cerâmicas e ossos produzem uma voltagem elétrica quando uma pressão mecânica, como um impacto, lhes é aplicada. No contexto da percussão eletrônica, um sensor piezo é afixado a uma superfície de execução. Quando é tocado, o sensor produz um pulso elétrico, cuja força reflete a do toque. Isso permite que o módulo tambor, ou "cérebro", reproduza a dinâmica do desempenho do baterista.

Pads de bateria

A maioria dos conjuntos Alesis de baterias eletrônicas consiste de pads separados, cada um incorporando um ou mais sensores piezo, o que pode ser arrumado em um rack para imitar o formato de um kit acústico. Algumas, como a de última geração DM 10 Pro, usam cabeças de tambores Mylar, como as das baterias acústicas para a superfície de execução, já que o realismo é uma meta importante no projeto visual da bateria eletrônica. Outras, como a DM6, usam pads de borracha. Alguns pads são "duas zonas", com dois sensores piezo permitindo vozes para a cabeça e para as bordas, como a de um tambor de cordas acústico.

Pads de címbalos

Os pads dos címbalos de explosão Alesis têm três sensores piezo montados em um verdadeiro címbalo de bronze, fazendo-os parecer címbalos normais. Como os pads de tambores de cabeça Mylar, esses incluem amortecedores para restringir o som de impacto. Os pads de címbalos feitos de borracha também estão disponíveis. Alguns disparadores de címbalos apresentam um sensor de "abafador", que imita a habilidade do baterista para encurtar um som de címbalo ao agarrá-lo com a mão.

Controladores multipads

A Alesis também produz os pads de Controle e Desempenho, que, como o clássico Roland Ocatapad, montam vários pads em uma única superfície. Esse projeto é extremamente compacto e, por isso, ideal para ser usado com um kit acústico. No entanto, isso também o torna particularmente vulnerável a uma das maiores fraquezas dos sensores piezo: "disparar cruzado"; quando um pad é tocado, as vibrações podem viajar para outros, resultando em um disparo acidental. Esse problema é enfrentado ao isolar-se cuidadosamente cada pad dos outros.

Resistor sensitivo de força: como a bateria Alesis não funciona

Uma alternativa aos transdutores piezo usados, por exemplo, no Modo Alternativo drumKat, é o Resistor Sensitivo de Força (FSR, em inglês), um filme fino de material condutivo cuja resistência elétrica decresce quando é submetida a uma força, como a da batida da bateria. Isso produz um breve pico no volume de eletricidade que consegue passar através do FSR, que é então interpretado pelo cérebro da bateria da mesma maneira que o pulso para um resistor piezo. O FSR oferece resistência ao disparo acidental, pois as vibrações transmitidas não afetam à resistência do filme. No entanto, é menos precisa que o transdutor de piezo.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível