Hipercalemia e osteoporose

Escrito por caryn kelly | Traduzido por claudio silva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • Pin
  • E-mail
Hipercalemia e osteoporose
Tome cálcio na dosagem recomendada para evitar a hipercalemia e a osteoporose (Pil image by morchella from Fotolia.com)

A ingestão de cálcio é importante para manter a boa saúde dos ossos, porém, o excesso ou a falta desse elemento pode causar problemas ósseos como a hipercalemia ou a osteoporose. Os pacientes portadores dessas doenças apresentam poucos ou nenhum sintoma durante os estágios iniciais, entretanto, precisam ficar cientes das causas, complicações e riscos associados a elas para que possam tomar medidas preventivas e procurar o tratamento adequado.

Outras pessoas estão lendo

Identificação

A hipercalemia ocorre quando os níveis de cálcio no sangue estão muito altos, afetando as contrações musculares normais negativamente, além das funções hormonais e cerebrais. A osteoporose — que significa "ossos porosos" — é uma doença óssea que afeta principalmente mulheres na pós-menopausa (embora homens também possam tê-la) que pode resultar em fraturas dolorosas e outras complicações.

Sintomas

A hipercalemia pode apresentar alguns sintomas. Os casos mais graves provocam náuseas, vômito, sede em excesso, aumento na frequência urinária e dores estomacais. Nos estágios iniciais da osteoporose, a dor não é tão intensa, mas os sintomas avançados incluem dor intensa nas costas — normalmente como resultado de uma vértebra fraturada —, perda de estatura, postura encurvada e fraturas de vértebra, quadril ou pulso.

Causas

A principal causa da hipercalemia é o hiperparatireoidismo. Outras causas são o câncer de pulmão, de mama, sanguíneo, doenças como a tuberculose, inflamações pulmonares, medicamentos como o lítio e diuréticos à base de tiazida, desidratação e a superdosagem de cálcio, vitamina A e D. A probabilidade de desenvolver a osteoporose depende da densidade óssea que foi formada dos 20 ao início dos 30 anos de idade e da velocidade com que se dará a perda depois dessa fase.

Diagnóstico

A hipercalemia é detectada através de um exame sanguíneo que mostra o aumento dos níveis de cálcio e do hormônio paratireoidiano. A radiografia de tórax, a tomografia computadorizada, a ressonância magnética ou a mamografia podem diagnosticar doenças ocultas como o câncer de pulmão ou mama que podem indicar a hipercalemia. A osteoporose normalmente é diagnosticada ao medir a densidade óssea com uma absorciometria de raio-X de dupla energia. Outros testes que medem a densidade óssea incluem o ultrassom, a tomografia computadorizada e a absorciometria de um fóton.

Tratamento

A hipercalcemia é tratada com fluidos intravenosos, medicamentos diuréticos de alça para liberar o excesso de cálcio do corpo, remédios que inibem a perda de massa óssea, um hormônio chamado calcitonina e corticosteroides. O tratamento com hemodiálise é utilizado apenas se os rins foram danificados. A osteoporose é tratada com o hormônio estrogênio ou com um modulador do seu receptor. Também são utilizadas drogas com o hormônios tireoidianos como a calcitonina. A terapia hormonal também pode ser usada, bem como a fisioterapia, para melhorar a postura e aumentar a massa óssea.

Complicações

A hipercalcemia grave causa danos aos rins, problemas no sistema nervoso e batimentos cardíacos irregulares. Pode haver a formação de cálculos renais se a urina contiver muito cálcio. Ela também causa a osteoporose, já que libera o o cálcio dos ossos para o sangue continuamente. As fraturas são a complicação frequente mais grave da osteoporose e normalmente afetam os ossos que suportam o peso do corpo, como a coluna vertebral ou o quadril. Elas geralmente ocorrem nos ossos enfraquecidos da espinha dorsal devido à compressão e também podem causar perda de altura ao longo do tempo.

Riscos

Tomar cálcio em excesso pode causar a hipercalemia. As pessoas brancas mais velhas, mulheres asiáticas com um índice de massa corporal de 19 ou menos e aquelas com histórico familiar da doença são mais propensas a desenvolvê-la. A falta de cálcio e vitamina D, tabagismo, distúrbios alimentares, sedentarismo, alcoolismo, hipertireoidismo e uso de corticosteroides também podem levar ao desenvolvimento da osteoporose.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível