Tratamento de lítio para a ansiedade severa

Escrito por lee morgan | Traduzido por samuel silva
  • Compartilhar
  • Tweetar
  • Compartilhar
  • E-mail

O tratamento com lítio para o transtorno bipolar, ou psicose maníaco-depressivo, depressão crônica e esquizofrenia, tem sido considerado eficaz em diferentes graus, desde que surgiu como um medicamento. Como o lítio funciona realmente ainda é desconhecido, mas presume-se que ajude com essas desordens mentais, estimulando a atividade química do cérebro, de acordo com RxList.com. O lítio também é considerado um medicamento eficaz para a ansiedade.

Outras pessoas estão lendo

Fatos

O lítio é um mineral que naturalmente é encontrado em rochas, água, plantas e animais. É usado como um medicamento na forma de um sal de lítio ou carbonato de lítio chamado citrato de lítio, que é normalmente administrado por via oral, de acordo com AnxietyHelp.org.

As empresas farmacêuticas que distribuem o lítio colocam seu próprio nome comercial na embalagem, tais como Cibalith, Lithane ou Lithobid. Ele é considerado um dos mais poderosos medicamentos disponíveis para o transtorno de humor.

Eficácia

Além da sua eficácia para o tratamento de mania e a depressão maníaca, mais de duas décadas de pesquisa demonstraram que o lítio é bem-sucedido na diminuição da ocorrência de novo a depressão em pacientes com desordem unipolar recorrente e no tratamento de uma variedade de distúrbios de humor, incluindo a ansiedade severa, de acordo com AnxietyHelp.org.

Alguns pacientes são rápidos na resposta positiva após o início do tratamento, enquanto outros veem os sintomas desaparecer lentamente e depois melhoram. Infelizmente, alguns pacientes não respondem ao lítio. Estima-se que um a cada 10 pacientes com transtorno bipolar, por exemplo, não apresentará melhora, como resultado do tratamento do lítio. Uma vez que não há nenhuma evidência clara de exatamente como o lítio trabalha para prevenir ou curar várias doenças, não existe uma maneira de determinar quem irá beneficiar-se com ele e quem não vai. Normalmente, os médicos dão a substância a pacientes que são propensos a experimentar um outro episódio mental no futuro e que já experimentaram dois ou três no passado.

História

Um médico australiano chamado John Cade introduziu o lítio em 1949, de acordo com AnxietyHelp.org. Cade diz que o carbonato de lítio pode ser usado em círculos psiquiátricos, para tratar o comportamento maníaco. Ao mesmo tempo, o lítio foi introduzido como um substituto de sal para pacientes cardíacos, mas a morte de quatro pacientes proveniente do uso excessivo de lítio causou a profissão médica para fugir de desenvolvimento de lítio, até que ressurgiu em 1960.

Os ensaios clínicos levaram à eventual aprovação de lítio para o tratamento, pela associação americana de medicamentos Food and Drug Administration, em 1970, e, em 1974, o FDA aprovou-o como um tratamento preventivo para a depressão maníaca.

Efeitos colaterais

Os possíveis efeitos colaterais do consumo de lítio incluem náuseas, diarreia, tonturas e fadiga, bem como um sentimento confuso em geral. Os tremores e a micção frequente podem também resultar na utilização a longo prazo, tal como o ganho de peso devido a retenção de fluidos. A acne, a psoríase e outros problemas de pele também podem se tornar piores, quando se toma lítio, de acordo com o RxList.com.

Não perca

Filtro:
  • Geral
  • Artigos
  • Slides
  • Vídeos
Mostrar:
  • Mais relevantes
  • Mais lidos
  • Mais recentes

Nenhum artigo disponível

Nenhum slide disponível

Nenhum vídeo disponível